BM News

Projeto prevê pagamento de tornozeleiras eletrônicas por presos no RS

Os recursos arrecadados seriam destinados para melhorias no sistema de execução penal estadual

O deputado estadual Marcus Vinícius de Almeida (PP) protocolou na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul um projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a cobrar de presos no Estado a tornozeleira eletrônica.

Conforme o projeto, os usuários da ferramenta de monitoração eletrônica deverão arcar com as suas despesas, inclusive a manutenção do equipamento em caso de avaria ou dano. Ainda ficarão responsáveis de ressarcir o prejuízo à Superintendência dos Serviços Penitenciários.

O deputado cita que, de acordo com dados divulgados pela DME (Divisão de Monitoramento Eletrônico) em 2020, cerca de cinco mil presos são acompanhados pela tornozeleira no Estado. Atualmente, o contrato firmado com a empresa no Rio Grande Sul, a suíça Geosat, tem a duração de 60 meses e permite a utilização de até 10 mil tornozeleiras. O investimento público é de R$ 40 milhões, com o custo posterior de R$ 66 por preso ao mês.

Almeida explica que o projeto objetiva assegurar à sociedade um sistema de administração penal que  corresponsabiliza os presos pelos crimes, com a intenção de conter a criminalidade e prevenir a reincidência.

Segundo o parlamentar, os recursos arrecadados seriam destinados para melhorias no sistema de execução penal estadual, a serem alocados no Fundo Penitenciário.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Projeto prevê pagamento de tornozeleiras eletrônicas por presos no RS

O deputado estadual Marcus Vinícius de Almeida (PP) protocolou na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul um projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a cobrar de presos no Estado a tornozeleira eletrônica.

Conforme o projeto, os usuários da ferramenta de monitoração eletrônica deverão arcar com as suas despesas, inclusive a manutenção do equipamento em caso de avaria ou dano. Ainda ficarão responsáveis de ressarcir o prejuízo à Superintendência dos Serviços Penitenciários.

O deputado cita que, de acordo com dados divulgados pela DME (Divisão de Monitoramento Eletrônico) em 2020, cerca de cinco mil presos são acompanhados pela tornozeleira no Estado. Atualmente, o contrato firmado com a empresa no Rio Grande Sul, a suíça Geosat, tem a duração de 60 meses e permite a utilização de até 10 mil tornozeleiras. O investimento público é de R$ 40 milhões, com o custo posterior de R$ 66 por preso ao mês.

Almeida explica que o projeto objetiva assegurar à sociedade um sistema de administração penal que  corresponsabiliza os presos pelos crimes, com a intenção de conter a criminalidade e prevenir a reincidência.

Segundo o parlamentar, os recursos arrecadados seriam destinados para melhorias no sistema de execução penal estadual, a serem alocados no Fundo Penitenciário.

Publicidade

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )