BM News

Provocações levam a nada

Cresce a possibilidade de o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, concorrer ao governo do RS

As desavenças entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso Nacional têm um forte componente do que se denomina tempestade em copo d’água. Após negociações, o atual governo aprovou todos os projetos que queria. Feito que gestões anteriores tentaram com insistência e não conseguiram. Se os dois lados olharem mais para o interesse público, deixando altercações pessoais para outra ocasião, todos ganharão.

Sem igual no mundo

Narrar pode não ser o suficiente. Porém, indo aos arquivos da Câmara vê-se que, na década de 1940, havia 360 deputados federais e 360 servidores. Funcionando no Rio de Janeiro, os parlamentares nem sonhavam com apartamentos cedidos gratuitamente. A transferência para Brasília em 1960 mudou tudo: abriram-se os cofres públicos para gastanças intermináveis. Hoje, são 513 deputados e 13 mil e 299 funcionários, entre concursados e de confiança.

Medo

O sistema eleitoral brasileiro está em vigor desde 1932, ultrapassado e cheio de brechas que permitem subterfúgios. Há muito tempo é discutida uma profunda reforma política que modernize a legislação, reduza os gastos de campanha, restrinja as lacunas e promova melhorias. Falta coragem aos legisladores. Acham que poderão ser prejudicados com a perda de benefícios.

Aceitação

Deputados que percorrem o Interior ouvem com insistência manifestações de apoio à candidatura do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, para o governo do Estado. O fato de pertencer ao PRTB, inexpressivo na região Sul do País, não seria problema. Muitos partidos lhe abririam as portas.

Comparação

O mau desempenho de estatais brasileiras lembra depoimento de um almirante japonês na guerra contra a Rússia: “Majestade, fizemos tudo certo. Os navios eram bons, a tripulação era competente, a tática estava correta, os ventos foram favoráveis e havia fartura de armas, poderosas e modernas. Só tivemos uma dificuldade: faltou munição”.

Enfraquecidos

Perdem espaços na América Latina os partidos hierarquizados, disciplinados e exigentes com a militância. O modelo criado por Lênin e institucionalizado na era Stálin jamais será útil à Democracia.

Grande legado

O rádio e a TV do Rio Grande do Sul e do País perderam, ontem, Marne Barcelos, profissional exemplar. Campeão de audiência no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Porto Alegre, exerceu com competência e bom humor sua grande paixão: a comunicação.

Todos ganharam

A cidade pernambucana de Olinda, distante 10 quilômetros de Recife, recebeu 3 milhões e 600 turistas nos quatro dias de Carnaval. A população permanente é de 390 mil habitantes. A Prefeitura do município vai respirar durante todo o ano com a entrada de impostos.

O Brasil não merecia

No último dia de fevereiro de 1990, Zélia Cardoso de Mello foi anunciada como ministra da Economia. Exerceu gestão de última. Muitos não esquecem o prejuízo brutal com o confisco da poupança que ela promoveu e deu em nada.

Enredo complicado

O Pesadelo que o Rio Grande do Sul não Merece é o título do documentário à espera de um produtor, com base no balanço das finanças do governo.

Olho na urna

Em ano eleitoral, a regra é esta: o governo segura o preço dos combustíveis para congelar a queda de popularidade.

Distância da tribuna

Ao final do ano será entregue a um deputado estadual o troféu Catedrático do Silêncio. A competição é grande.

Extrapolam tudo

Em agosto, o Livro Guinness dos Recordes completará 65 anos. Destaque para a política brasileira, especialista em acontecimentos excepcionais que outros países não ousam.

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Provocações levam a nada

As desavenças entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso Nacional têm um forte componente do que se denomina tempestade em copo d’água. Após negociações, o atual governo aprovou todos os projetos que queria. Feito que gestões anteriores tentaram com insistência e não conseguiram. Se os dois lados olharem mais para o interesse público, deixando altercações pessoais para outra ocasião, todos ganharão.

Sem igual no mundo

Narrar pode não ser o suficiente. Porém, indo aos arquivos da Câmara vê-se que, na década de 1940, havia 360 deputados federais e 360 servidores. Funcionando no Rio de Janeiro, os parlamentares nem sonhavam com apartamentos cedidos gratuitamente. A transferência para Brasília em 1960 mudou tudo: abriram-se os cofres públicos para gastanças intermináveis. Hoje, são 513 deputados e 13 mil e 299 funcionários, entre concursados e de confiança.

Medo

O sistema eleitoral brasileiro está em vigor desde 1932, ultrapassado e cheio de brechas que permitem subterfúgios. Há muito tempo é discutida uma profunda reforma política que modernize a legislação, reduza os gastos de campanha, restrinja as lacunas e promova melhorias. Falta coragem aos legisladores. Acham que poderão ser prejudicados com a perda de benefícios.

Aceitação

Deputados que percorrem o Interior ouvem com insistência manifestações de apoio à candidatura do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, para o governo do Estado. O fato de pertencer ao PRTB, inexpressivo na região Sul do País, não seria problema. Muitos partidos lhe abririam as portas.

Comparação

O mau desempenho de estatais brasileiras lembra depoimento de um almirante japonês na guerra contra a Rússia: “Majestade, fizemos tudo certo. Os navios eram bons, a tripulação era competente, a tática estava correta, os ventos foram favoráveis e havia fartura de armas, poderosas e modernas. Só tivemos uma dificuldade: faltou munição”.

Enfraquecidos

Perdem espaços na América Latina os partidos hierarquizados, disciplinados e exigentes com a militância. O modelo criado por Lênin e institucionalizado na era Stálin jamais será útil à Democracia.

Grande legado

O rádio e a TV do Rio Grande do Sul e do País perderam, ontem, Marne Barcelos, profissional exemplar. Campeão de audiência no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Porto Alegre, exerceu com competência e bom humor sua grande paixão: a comunicação.

Todos ganharam

A cidade pernambucana de Olinda, distante 10 quilômetros de Recife, recebeu 3 milhões e 600 turistas nos quatro dias de Carnaval. A população permanente é de 390 mil habitantes. A Prefeitura do município vai respirar durante todo o ano com a entrada de impostos.

O Brasil não merecia

No último dia de fevereiro de 1990, Zélia Cardoso de Mello foi anunciada como ministra da Economia. Exerceu gestão de última. Muitos não esquecem o prejuízo brutal com o confisco da poupança que ela promoveu e deu em nada.

Enredo complicado

O Pesadelo que o Rio Grande do Sul não Merece é o título do documentário à espera de um produtor, com base no balanço das finanças do governo.

Olho na urna

Em ano eleitoral, a regra é esta: o governo segura o preço dos combustíveis para congelar a queda de popularidade.

Distância da tribuna

Ao final do ano será entregue a um deputado estadual o troféu Catedrático do Silêncio. A competição é grande.

Extrapolam tudo

Em agosto, o Livro Guinness dos Recordes completará 65 anos. Destaque para a política brasileira, especialista em acontecimentos excepcionais que outros países não ousam.

Veja também

sample52
Carlos Alberto Henricone
Carlos Alberto Henricone

Folha de pagamento do Estado já sente efeitos do vírus

sample52
Carlos Alberto Henricone
Carlos Alberto Henricone

O mundo volta às origens

sample52
Carlos Alberto Henricone
Carlos Alberto Henricone

Jair Bolsonaro: apoio ao retorno da economia cumpre agenda do G-20

sample52
Carlos Alberto Henricone
Carlos Alberto Henricone

Não dá para adiar a mudança de procedimentos

Publicidade

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )